PetroRecôncavo (RECV3) dá inicio ao período de reserva petrorecôncavo (recv3) dá inicio ao período de reserva PetroRecôncavo (RECV3) dá inicio ao período de reserva RECV3 petroreconcavo

PetroRecôncavo (RECV3) dá inicio ao período de reserva

PetroRecôncavo (RECV3), operadora independente de petróleo e gás, iniciou nesta segunda-feira (19), o período de reserva para participar do seu IPO. O período de reserva encerra no dia 30 de abril.

O intervalo indicativo de preço vai de R$ 15,50 a R$ 19,50 por ação.

Considerando que a oferta principal fosse colocada pela média da faixa (R$ 17,50), a operação movimentaria um  montante de R$ 1,225 bilhão.

Cabe ressaltar que a oferta não está limitada à faixa de preços. Ou seja, a cifra arrecadada pode variar tanto para cima quanto para baixo.

De acordo com o prospecto, a fixação de preço da oferta de ações acontece no dia 03 de maio.

O início das negociações do PetroRecôncavo (RECV3) na B3 está previsto para o dia 05 de maio.

IPO é coordenado por Itaú BBA, Morgan Stanley, Goldman Sachs e o Banco Safra.

Os recursos captados serão destinados integralmente para pagamento das aquisições de ativos da Petrobras realizadas e em curso, bem como aquisição de ativos da Petrobras.

Além disso, a cifra arrecadada servirá para o aumento da posição de caixa.

Perfil da PetroRecôncavo – RECV3

PetroRecôncavo (RECV3) é especializada na operação, no desenvolvimento e na revitalização de campos maduros em bacias terrestres de óleo e gás (onshore).

Os principais acionistas são PetroSantander, com 49,18% do capital,  Opportunity FIP (34,92%) e Perbras (7,46%).

Seu modelo de negócios verticalizado é baseado na compra ou prestação de serviços de operação de concessões de campos onshore maduros.

Segundo relatórios de reserva da Ryder Scott e NSAI, as reservas provadas da PetroRecôncavo passaram de 8,9 milhões de barris de óleo equivalente (BOE) em fevereiro de 2000 para 20,8 milhões de BOEs em dezembro de 2020.

Indicadores Financeiros

PetroRecôncavo (RECV3) registrou receita líquida de R$ 787,8 milhões em 2020, contra R$ 339,9 milhões de 2019.

O crescimento, contudo, não se refletiu no lucro líquido. A petroleira teve prejuízo líquido de R$ 81,7 milhões, revertendo o lucro de R$ 63,7 milhões de 2019.

O Ebitda somou R$ 474 milhões no ano passado, ante R$ 155,8 milhões de 2019.

Leitura Recomendada

Confira mais notícias sobre os próximos IPOs de 2021

Blau Farmacêutica (BLAU3) estreia em Bolsa nesta segunda-feira