Infracommerce CXAAS (IFCM3) estreia na B3 em queda infracommerce cxaas (ifcm3) estreia na b3 em queda Infracommerce CXAAS (IFCM3) estreia na B3 em queda infracommerce ipo

Infracommerce CXAAS (IFCM3) estreia na B3 em queda

A Infracommerce (IFCM3) estreia na B3 nesta terça-feira (4) em baixa. Às 11h40, os papéis da IFCM3 recuavam 0,31%, cotados a R$ 15,95.

Depois de suspender sua Oferta Pública Inicial de Ações (IPO, na sigla em inglês), a Infracommerce (IFCM3) retomou o processo uma semana após a estreia prevista, reduzindo o preço inicial das ações, que ficou em R$ 16, 27 abaixo do piso da faixa, que de R$ 22 até R$ 28.

No IPO, a companhia levantou R$ 870 milhões e envolveu apenas investidores institucionais, sem venda de ações para os investidores no varejo.

Foram emitidas 54.375.000 ações ordinárias, podendo ser acrescida de lote suplementar de 8.156.250 papéis em até 30 dias.

Dessa forma, o capital social da Infracommerce (IFCM3) ficou em R$ 942,1 milhões.

Perfil Infracommerce CXAAS – IFCM3

A Infracommerce CXAAS (IFCM3) foi considerada a melhor empresa de soluções digitais para e-commerce do Brasil em nível de serviço, de acordo com o Prêmio de Inovação Digital da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABCOMM), do ano de 2020.

A companhia é formada por ecossistema de soluções digitais integradas compõe um white-label digital ecosystem para marcas e indústrias liderarem suas jornadas de digitalização do go-to-market por meio de uma experiência ao consumidor excepcional.

A Infracommerce CXAAS (IFCM3) foi fundada no Brasil e atualmente tem operações no México, Colômbia, Chile e Argentina.

Em 31 de dezembro de 2020, a Infracommerce registrou receita líquida de R$ 236 milhões.

A companhia originou R$ 4,6 bilhões em gross merchandise volume (GMV) para seus clientes, além de um crescimento anual composto de 53% em receita líquida e 58% em GMV, entre 2018 e 2020.

Detalhes do IPO

A Infracommerce CXAAS (IFCM3) pretende utilizar os recursos da oferta primária para:

  • aquisições estratégicas a fim de expandir sua oferta tecnológica e logística (M&A);
  • investimentos em capex, pesquisa e desenvolvimento (R&D), e despesas comerciais visando acelerar o seu crescimento orgânico; e
  • pagamento de dívida.

Os principais acionistas da empresa são os fundos IGVentures, e.Bricks Coinvestment, Flybridge Capital Partners, Transcosmos e Arrow Treasure.

Os coordenadores da oferta são Itaú, BTG, Goldman Sachs e Morgan Stanley.

Leitura Recomendada

Confira mais notícias sobre os próximos IPOs de 2021

Athena Saúde (ATEA3) inicia período de reserva de IPO